icons_abc_tel
icons_abc_mail
icons_abc_facebook
icons_abc_location

Disgrafia & Problemas da Escrita

A disgrafia é um problema de aprendizagem relacionado com a aptidão da escrita, assim é uma dificuldade no ato motor de elaborar traços precisos, harmônicos e adequados. A escrita é um ato motor regido por diversos circuitos neurológicos que engloba além da motricidade, habilidades visuais, linguísticas, auditivas e sociais.

Naturalmente, é avaliada como sendo letra feia, porém a disgrafia vai além da letra feia, pois o ato do escrever deve ser avaliado com muito mais cuidado do que apenas o resultado expresso no papel. Para chegar ao diagnóstico de disgrafia deve-se, antes de qualquer coisa, observar se a criança possui algum problema ou déficit do desenvolvimento motor, alguma deficiência neuromotora, intelectual ou sensorial, pois a presença desses fatores pode influenciar diretamente no ato da escrita. Exemplo – uma pessoa que teve um acidente vascular cerebral e começou a apresentar dificuldades motoras na mão em que escreve não conseguirá realizar registros como anteriormente, evidente e de fácil observação que essa imprecisão é derivada dessa moléstia, porém quando uma criança não foi devidamente estimulada motoramente nas mais tenras idades ela pode apresentar um atraso motor que também levará a problemas na qualidade do registro, não sendo assim Disgrafia, mas comumente classificada como tal.

Disgrafia ABC Aprendizagem - Psicomotricidade

Uma criança que apresenta problemas posturais pode ter como reflexo dificuldade na escrita, pois suas cadeias musculares, seu centro de equilíbrio corporal estará inadequado.

Ao avaliar a grafia deve-se observar a qualidade do traçado, a pressão aplicada, a forma em que a criança segura o lápis ou caneta, a velocidade de registro, a oscilação entre letra cursiva e bastão, a aglutinação de letras, a dificuldade espacial e organizacional no registro em um determinado espaço (ex. folha de caderno), a postura e o histórico do desenvolvimento neuromotor.

A majoritária doutrina classifica a disgrafia em dois segmentos:

  • Discaligrafia: diretamente relacionada ao ato motor da grafia, assim o comprometimento está no movimento da escrita e a capacidade tônica e de coordenação do indivíduo.
  • Disgrafia perceptiva: o comprometimento apresenta-se na capacidade do indivíduo associar os símbolos gráficos aos seus significados sonoros e conceituais, difere da dislexia pois a dificuldade apresenta-se no ato da escrita.

Uma adequada avaliação por profissional capacitado permite uma futura intervenção positiva que minimizará a dificuldade.

Assevera-se que a capacidade de registrar conteúdos de modo gráfico é base do sistema educacional mundial. Uma criança que tem dificuldade para compreender sua própria letra, que demora muito para copiar da lousa, que não consegue anotar o que o professor fala, ou ainda que não se faz ser entendida na resposta em uma prova, terá problemas significativos no processo de ensino aprendizagem.

O escrever, naturalmente requisitado no processo de alfabetização, e de muito temor e expectativas dos pais e da própria criança, nada mais é do que um movimento ritmado, controlado e harmônico derivado de uma série de vivências desde o nascimento da criança.

Recomenda-se aos pais, professores e outros interessados quando observarem problemas na grafia de alguma criança ou adulto que procure um profissional do movimento, que entenda do ato motor da escrita e que assim, possa orientar adequadamente para sanar possíveis déficits.

Para saber mais sobre Psicomotricidade ou agendar uma avaliação com o Psicomotricista do ABC Aprendizagem, clique aqui.


Noboru Ito Júnior
Psicomotricista
CREF 097023-G/SP

ABC Aprendizagem